Léo Medeiros: Uma pitada de Coudet e o retorno de Andrés

O ano mal começou e o capitão Andrés Nicolás D’Alessandro é um dos destaques do clube. Os jogos contra os times do interior mostraram até aqui, um novo gringo, se comparado ao do ano anterior. D’Ale é extraclasse e disso todos nós sabemos.

O grande ponto em questão é a leveza que senti no gringo nesses primeiros dois jogos, diante de Pelotas e São Luiz. Em 2019 me pareceu mais travado e cansado. Porém não era ele exatamente e, sim, a formatação ao seu redor.

O time de Odair necessitava que Andrés buscasse a bola, quase onde Musto está jogando: entre Moledo e Cuesta, dois passos à frente. O time não corria, não pressionava e, com todo respeito ao trabalho do Papito, não se coloca D’Ale de primeiro volante aos 38 anos de idade. Assim, ele tinha que buscar a bola, distribuir, correr, receber e armar. Isso se alguém não perdesse a bola e tivesse que voltar para ajudar na marcação.

Coudet chegou e mudou tudo. D’Ale é segundo atacante, no máximo um meia avançado. E aí fica fácil, todos sabem o que acontece se a bola cair por ali nos pés do camisa 10. O que estamos vendo já é obra de Eduardo Coudet. Obrigado Chacho, por devolver Andrés, ainda que com 38 anos.

Comentários
Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar Aceitar Ler mais