Publicidade!!!

Emerson Silva: Mesmo com o VAR dificultando cirurgias, o Inter foi operado no Beira Rio

No clássico Grenal da primeira final do Campeonato Gaúcho de 2019, houve várias situações que dão o direito ao Inter reclamar da arbitragem. Leandro Vuaden visivelmente está pedindo aposentadoria (não estou discutindo o caráter de ninguém). Visivelmente teve uma arbitragem medrosa, que não queria assumir responsabilidades em lances polêmicos, e isso acabou gerando uma série de favores ao rival. Roberto Melo tem toda a razão em reclamar nos microfones, uma vez que o adversário fez e aconteceu, e não foi punido por isso. Logo eles, que meses atrás diziam “#useoregulamento”.

Se for para usar o regulamento, falta dizer para o Renato respeitar as regras. Só o fato de invadir o campo já justificaria sua expulsão (pelo regulamento pelo menos...). Se tornou mais agravante colocar o dedo na cara de um profissional que simplesmente estava reclamando uma injustiça. Não é de hoje que o Renato faz e manda. E não é de hoje que os árbitros abaixam a cabeça pra ele. Mas isso tem que ser questionado. O pior é ver que a alegação da não expulsão do Renato foi porque ele não invadiu o gramado, sendo que esta imagem demonstra claramente um desrespeito.

Além disso, a imprensa nacional entrou no consenso que o André deveria ter sido expulso naquela cotovelada em cima do Moledo. Desde quando agressão sem bola é punível apenas com amarelo? O pior é que o VAR recomendou a expulsão, e o juiz simplesmente ignorou isso. Se for para fazer decisões contrárias a recomendação de expulsão por agressão, então pra que ter esse recurso? Vamos ser campeonato raiz então (como alguns insistem em dizer).

Há ainda outros dois lances suspeitos que ninguém está lembrando. Um deles é o “impedimento” do Guerrero (que resultou em gol na sequência) e que não teve replay. Sabe-se que há um acordo entre a TV e o VAR, para que em lances polêmicos não se apresente contrariedade. Ou seja, pode ter sido impedimento mesmo. Ou não. Nunca saberemos, pois o replay não saiu. Isso faz levantar suspeitas que o bandeirinha pode ter errado e o VAR não pôde corrigir. Outro lance suspeito é na falta cobrada pelo D’Alessandro que aparentemente bateu na mão de um dos defensores do Grêmio (dentro da área). Lance parecido com o pênalti que sofremos no confronto contra o River Plate na Copa Libertadores. Poderão dizer que esse lance é interpretativo, ok, concordo. Entretanto a ausência do replay é que acaba deixando muitas dúvidas.

Deixo por fim, um alento: não estou perseguindo a federação. O problema vem do outro lado. A forma que o Grêmio há anos chorou as escalações do Vuaden, o tornaram submisso em lances polêmicos. Um árbitro que teve medo de expulsar um treinador que acha que pode mandar em tudo. Um árbitro que teve receio de expulsar um jogador que agrediu o colega. Tenho certeza que o Jean Pierre G. de Lima, o nosso “Vin Diesel dos pampas”, em um dia bom, fará uma arbitragem melhor na finalíssima.

Foto: Reprodução 

Emerson Silva: Mesmo com o VAR dificultando cirurgias, o Inter foi operado no Beira Rio Emerson Silva: Mesmo com o VAR dificultando cirurgias, o Inter foi operado no Beira Rio Reviewed by Revista on abril 15, 2019 Rating: 5
Comentários
0 Comentários